É justo isso?

É justo isso?
Apoie!

terça-feira, 15 de novembro de 2011

I Semana de Música de Arapiraca

Começou!
A maratona de eventos artísticos que a compõem se inicia apenas amanhã, mas, para nós, para a equipe de produção colaborativa que irá cobrir os acontecimentos com textos, fotografias e vídeos, a I Semana de Música de Arapiraca já está inaugurada.
A proposta de cobertura colaborativa nos foi apresentada por Dayane Teles, que viveu experiência semelhante em Brasília, na Teia (encontro nacional dos Pontos de Cultura) da qual ela participou recentemente. Para esta iniciativa inédita na cidade de Arapiraca, foram selecionados sete jovens: Isabela Santos, Jéssika Silva, Julliany Silva, Nikolaus, Paulo Cândido e eu. É gente que mexe com teatro, com música, com audiovisual. Gente da UFAL, da UNEAL. Há estudantes e professores. Nenhum é jornalista profissional, mas todos exercitam a comunicação através de suas artes, de seus ofícios.
Daqui até o dia 19, estaremos compartilhando com vocês as nossas vivências nas oficinas e nas apresentações, nos bastidores e no meio do público, preservando em letras, imagens e sons toda a emoção que um encontro com a boa música é capaz de despertar.
Amanhã, teremos um encontro marcado: às 19 horas, na Tenda da Cultura da Praça Luiz Pereira Lima (praça da antiga Prefeitura). 
Até lá!

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Na fila do Banco do Brasil...

Ontem, pela manhã, ficamos mais de uma hora numa das imensas filas da agência do Banco do Brasil em Palmeira dos Índios.
Não havia menos de cem pessoas abarrotadas - na imensa maioria, idosos - ali dentro, à espera de serem atendidas no único caixa eletrônico (entre tantos inúteis) que operava com a opção de saque.
Ora, o respeito pelo tempo dos outros é uma cortesia que se impõe, e a legislação prevê também o tempo máximo de espera para o atendimento ao cliente, mas é frequentemente desobedecida. 
As máquinas, além de diminuir a oportunidade de empregos, só têm mesmo garantido com eficiência o lucro dos banqueiros. O serviço, pelo que se observa no caso de Palmeira dos Índios, tem piorado, e muito.