É justo isso?

É justo isso?
Apoie!

domingo, 18 de agosto de 2013

Festa do Meado de Agosto – fé, tradição e resistência negra

Faz três dias que terminou a Festa do Meado de Agosto.

 

Todos os anos (há cerca de duzentos) ocorre essa festa, no Quilombo Poços do Lunga (Sítio Volta), território regado pelo Rio Lunga e ponto de intersecção entre os municípios alagoanos de Taquarana (onde está localizado), Coité do Nóia, Igaci, Palmeira dos Índios e Belém.

 

Neste ano, foram dois dias de um evento multicultural, centrado na tradição negra do lugar, com programação diversificada. Na véspera (dia 14), crianças e adolescentes da comunidade fizeram oficinas de educação ambiental, e plantaram mudas de árvores nativas, visando à futura recuperação da mata ciliar. Na manhã do dia seguinte, as festividades foram abertas pela procissão de Nossa Senhora da Conceição, padroeira do lugar, seguida do leilão de prendas oferecidas pela própria comunidade.

 

A programação festiva deste ano trouxe uma novidade: pela primeira vez, o ambiente foi energizado com bênçãos e cânticos consagratórios de matriz afrobrasileira. Seguiram-se as apresentações de grupos de capoeira e de maculelê de Poços do Lunga e Mameluco, do Maracatu Raízes da Tradição (Casa Abassá de Angola / Mãe Vera – Maceió), do grupo de dança afro Atitude Negra (Quilombo Carrasco – Arapiraca), do Batuque Yá + Projeto Tambores (Maceió + Quilombo Tabuleiro dos Negros, de Penedo), do Afoxé Oju Omim Omorewá (Maceió e do regueiro Roberto Rasta (Maceió).

 

Coincidindo com a festa católica de Nossa Senhora da Assunção, a Festa do Meado de Agosto, típica daquele povo quilombola de Poços do Lunga, Passagem do Vigário e entorno remanescente quilombola, se trata de uma reminiscência da antiga tradição humana de celebrar a relação com a terra, colhendo o fruto de seu trabalho, isto é, de celebrar a sua cultura. Abraçada pelo poder público, protagonizada pela comunidade e assessorada pela produtora cultural Keka Rabelo – nossa anfitriã, que convidou-nos a fazer a cobertura fotográfica do evento –, essa festa é hoje a síntese da fé, da cultura popular, e da resistência do povo negro no agreste alagoano.

 

Para ver mais fotos do evento, clique aqui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Este espaço é para você, fiel leitor(a). Deixe o seu comentário acerca do texto que acabou de ler...